Notícias

Preço do fertilizante registra queda de 30% em 45 dias

Caminhão (só a parte com a roda traseira esquerda aparece na foto) despeja fertilizante no campoCom retração de demanda, recuo da ureia é o mais significativo no período  -  Após a escalada de preços agravada pela guerra na Ucrânia, os valores dos fertilizantes finalmente começam a registrar queda.

Segundo dados da Agrinvest Commodities, a ureia caiu 30% em 45 dias e o MAP recuou 9,7% no período. O recuo da demanda, que é sazonal e comum para esta época do ano, o atraso no plantio da safra norte-americana e normalização do fluxo de exportação da Rússia ajudam a explicar o movimento de baixa.

O fertilizante é um dos principais insumos usados nas lavouras do Brasil e mais de 80% é importado. A preocupação com o risco de abastecimento tomou conta do setor no início do ano com tensões geopolíticas no leste europeu, já que a Rússia é um dos nossos principais fornecedores.

Os problemas logísticos e as sanções econômicas poderiam impedir a chegada do adubo aqui. O alívio para o agro do Brasil veio dos dados recordes de importação entre janeiro e abril deste ano, com mais de 10 milhões de toneladas importadas, aumento de 7% em relação ao observado na mesma época do ano passado, aponta relatório da Agrinvest com dados do Ministério da Economia.

Em abril, entraram mais de 3 milhões de toneladas nos portos brasileiros, contra 1 milhão e 800 mil em abril de 2021. Até o momento, a Rússia ficou em primeiro lugar como origem dos fertilizantes que chegaram ao Brasil, seguida por Canadá e China. As indicações que precedem a safra de verão 22/23 apontam para normalização do fluxo de oferta de produtos no mercado doméstico.

Além disso, alguns agricultores vão reduzir o uso de fertilizante em função dos altos custos. O resultado é uma aparente adequação entre a oferta e a demanda e baixo risco de apagão no mercado de adubo brasileiro. Se isso acontecer, o Brasil tem plenas chances de atingir um novo recorde na produção de soja.

O próprio Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) já projeta patamar histórico de 149 milhões de toneladas de soja na próxima temporada brasileira.
FONTE: JP News(Kellen Severo)