Notícias

Produção deverá ser mais sofisticada no futuro, diz Lopes

O presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Maurício Antônio Lopes, escreveu um artigo dizendo que os métodos de produção agrícola deverão ser mais sofisticados no futuro. Segundo ele, a demanda por alimentos está aumentando, assim como as exigências da população por uma alimentação cada vez mais saudável.

“Um dos grandes desafios nas análises globais de segurança alimentar é a necessidade de sofisticação de modelos e análises que permitam estimar, de forma confiável, a demanda futura por alimentos. Isso porque teremos uma população cada vez mais numerosa, mais urbana, mais educada, rica e exigente, o que produzirá substancial pressão na produção e na sofisticação de alimentos até meados desse século”, comenta.

Ele cita também um estudo recente produzido pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) que indica que a produção agrícola mais que triplicou entre 1960 e 2015. Entretanto, o presidente da Embrapa alerta para os efeitos negativos das mudanças climáticas sobre as culturas agrícolas, que estão fazendo com que o aumento da produtividade seja prejudicado.

“No entanto, os impactos decorrentes das mudanças climáticas e do desgaste dos recursos naturais - em especial solo e água - fazem crescer as incertezas e o receios acerca da capacidade de resposta aos desafios à frente”, estima.

De acordo com Lopes, a demanda por alimentos irá aumentar 47% entre 2010 e 2050, o que representa menos da metade do crescimento que foi notado nos quarenta anos anteriores. Nesse cenário, ele afirma que será necessário repensar os métodos de produção para conseguir suprir todas essas necessidades.

“Portanto, será preciso lidar com uma realidade desafiadora para o mundo da agricultura e da alimentação no horizonte de 2050. Crescimento econômico e dinâmica populacional serão os principais motores das transformações, com impactos significativos nos padrões de consumo e de produção de alimentos em todo o mundo”, conclui.
FONTE: AGROLINK(Leonardo Gottems)