Notícias

Milho: De olho no clima nos EUA, mercado encerra 3ª em campo positivo na CBOT

milho0 12Na Bolsa de Chicago (CBOT), os futuros do milho finalizaram a sessão desta terça-feira (4) do lado positivo da tabela. As principais posições da commodity reverteram as perdas exibidas no início do dia e encerraram o pregão com altas entre 2,25 e 3,50 pontos, uma valorização entre 0,58% e 1%.

O vencimento setembro/18 era cotado a US$ 3,54 por bushel, enquanto o dezembro/18 trabalhava a US$ 3,68 por bushel. O março/19 fechou o dia a US$ 3,79 por bushel e o maio/19 a US$ 3,87 por bushel.

De acordo com informações da Reuters internacional, as cotações encontraram suporte no movimento de compras técnicas. "Embora os ganhos tenham sido limitados pelas expectativas de uma colheita abundante nos EUA nas próximas semanas", informou a agência.

Já o portal Farm Futures reforçou que "o clima chuvoso em todo o Meio-Oeste e Centro-Sul dos EUA para concluir essa semana deu aos comerciantes uma desculpa para dar aos futuros de milho um pequeno solavanco para começar a semana".

O mercado ainda aguarda as informações sobre a safra norte-americana que será reportado pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). Na semana anterior, o órgão manteve em 68% o índice de lavouras em boas ou excelentes condições.

Ainda hoje, o departamento reportou seu boletim de embarques semanais do milho. Na semana encerrada no dia 30 de agosto, os embarques de milho somaram 1.334,5 milhão de toneladas. O volume ficou acima do indicado na semana anterior, de 1.264,7 milhão de toneladas.

Mercado interno
Enquanto isso, no mercado brasileiro, o dia foi de ligeiras movimentações aos preços do cereal. De acordo com levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, em Castro (PR), a alta ficou em 5,26%, com a saca do cereal a R$ 40,00.

Por outro lado, em Campinas (SP), o preço recuou 4,69%, com a saca de milho a R$ 40,60. Na região de São Gabriel do Oeste (MS), a queda foi de 3,23%, com a saca a R$ 30,00. Já no Porto de Paranaguá, a saca futura, para entrega em setembro/18, caiu 2,27% e fechou o dia a R$ 43,00.

Segundo dados da Scot Consultoria, os preços continuam firmes no mercado doméstico. Apesar da finalização da colheita do milho safrinha no Brasil, a oferta menor nesta temporada, a forte valorização cambial e a maior movimentação para exportação ainda dão suporte aos preços, informou em nota.

"Contudo quedas pontuais não estão descartadas no início do início do mês de setembro devido a ponta vendedora estar ofertando mais. Esta maior intenção de venda do lado vendedor é um fator limitante para as altas de preços no mercado interno", reportou a consultoria.

Dólar
A moeda norte-americana finalizou o dia a R$ 4,1531 na venda, com leve alta, de 0,03%. O câmbio exibiu um movimento de correção após ter encostado no patamar de R$ 4,20 durante a sessão, com os investidores focados no cenário externo e o cenário eleitoral no país, ainda conforme dados da Reuters.
FONTE: Notícias Agrícolas(Fernanda Custódio)