Notícias

Milho: Com influência do trigo, mercado sobe pelo 2º dia seguido na CBOT

milho logisticaPelo segundo dia consecutivo, os preços do milho negociados na Bolsa de Chicago (CBOT) subiram. Durante a sessão desta terça-feira (24), os contratos do cereal consolidaram a movimentação positiva e finalizaram o pregão com altas de mais de 2 pontos. O vencimento maio/18 era cotado a US$ 3,81 por bushel, já o julho/18 trabalhava a US$ 3,90 por bushel. O setembro/18 operava a US$ 3,97 por bushel.

Segundo informações da Reuters internacional, as cotações foram impulsionadas pelas altas observadas nos contratos do trigo. Por sua vez, os preços da commodity subiram mais de 2% nesta terça-feira, com ganhos entre 7,75 e 11 pontos. O maio/18 operava a US$ 4,72 por bushel e o julho/18 a US$ 4,84 por bushel.

"Os contratos futuros do trigo subiram mais de 2% com a retomada das compras depois das quedas recentes e das cotações atingirem os menores patamares em quase três semanas no início do pregão de hoje", reportou a Reuters.

Ainda assim, no caso do milho, a agência reforça que os ganhos foram limitados "pela perspectiva de um clima mais quente no Meio-Oeste, o que deve permitir que os agricultores aumentem o ritmo de plantio de safras de primavera após um início mais lento", destaca a agência internacional.

Nesta segunda-feira, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) estimou o plantio do cereal completo em 5% da área esperada para essa safra. Na semana anterior, o percentual estava em 3%.

Já as expectativas dos participantes do mercado giravam em torno de 6% a 8%. Em igual período do ano passado, a semeadura já estava completa em 15% e a média dos últimos anos é de 14%.

Mercado brasileiro
A alta observada em Chicago combinada com a valorização cambial puxaram os preços na bolsa brasileira. As principais posições da commodity encerraram a sessão desta terça-feira com valorizações de mais de 2% na BM&F Bovespa.

O julho/18 subiu 2,11% e terminou o dia a R$ 38,29 a saca, já o setembro/18 subiu 2,58% e finalizou o pregão a R$ 37,00. O novembro/18 era cotado a R$ 37,70 a saca, com alta de 2,06%.

A moeda norte-americana era cotada a R$ 3,4693 na venda, com ganho de 0,48%. "O câmbio subiu em meio a temores de que o ritmo de aumento de juros nos Estados Unidos pode ser mais forte do que o inicialmente projetado, o que pode afetar o fluxo de capital global", informou a Reuters.

Enquanto isso, no mercado doméstico o dia foi de ligeiras movimentações aos preços do cereal. Em Sorriso (MT), o valor caiu 12,50%, com a saca a R$ 14,00, já em Panambi (RS), a queda foi de 3,00%, com a saca a R$ 33,00. No Porto de Paranaguá, a saca futura caiu 1,32% e finalizou o dia a R$ 37,50.

Por outro lado, em Brasília, a saca do milho subiu 6,67% nesta terça-feira, cotada a R$ 32,00. Em Luís Eduardo Magalhães (BA), o ganho foi de 1,72%, com a saca a R$ 29,50. As informações fazem parte do levantamento realizado diariamente pelo economista do Notícias Agrícolas, André Lopes.

A queda de braços entre compradores e vendedores permanece no mercado doméstico. Além disso, as atenções dos participantes do mercado permanecem voltadas ao comportamento do clima no Brasil, principalmente em algumas regiões do Paraná, Mato Grosso do Sul e São Paulo, que pode afetar o rendimento das lavouras de milho safrinha.

FONTE: Notícias Agrícolas(Fernanda Custódio)